X Sair
esclerose múltipla

Por que a EM ocorre?

Sua causa ainda é desconhecida, apesar de ser claro que a EM seja uma doença autoimune, inflamatória, do sistema nervoso central. Não se sabe ao certo o que leva o sistema imunológico a não reconhecer e atacar a bainha de mielina do próprio organismo, como se ela fosse um agressor. A hipótese mais aceita é que fatores ambientais somados a uma pessoa geneticamente suscetível sejam os responsáveis pelo seu aparecimento. 

A interação entre fatores genéticos e ambientais desencadeia os mecanismos de autoagressão. Os fatores ambientais são relevantes, embora não se saiba exatamente quais e quantos deles estejam envolvidos. Dentre os mais significativos estão aqueles que podem estar relacionados a infecções virais prévias, falta de exposição à luz solar – com menor produção de vitamina D pelo organismo -, e à menor exposição a bactérias e parasitas durante a infância, o que leva a alterações na maturação do sistema imunológico. Não existe nenhum alimento ou substância química comprovada até o momento envolvida na etiologia da EM. Apesar de a doença possuir uma predisposição genética, ela não é hereditária, ou seja, não é transmitida diretamente através das gerações de uma família.

 

Estas informações são recomendações gerais que objetivam expandir o conhecimento sobre a Esclerose Múltipla, mas não substituem a visita do paciente a um neurologista.

 

Fontes: 1. Compston, A. and A. Coles, Multiple sclerosis. The Lancet, 2008. 372(9648): p. 1502-1517. 2. Murray, T.J., The history of multiple sclerosis: the changing frame of the disease over the centuries. Journal of the Neurological Sciences, 2009. 277: p. S3-S8.